Páginas

quarta-feira

Tenho estado com uma Portugalitite Aguda

Na semana passada tive uma reunião com uma senhora espanhola, de uma instituição que devia prezar pelas boas relações entre os nossos dois países... mas não vou falar dessa reunião (muito!).

Vou falar do que ela provocou em mim: para além da azia, um enorme amor pela minha Pátria, um orgulho desmesurado por ser portuguesa, uma paixão pela minha Língua e pela forma particular de ser Tuga! E disse à señorita que assim era, não porque uns ou outros fossem os melhores, mas exactamente porque somos diferentes, muito diferentes... tão diferentes que só comparáveis pela diferença!

Sim, não temos tapas nem boquerones, não temos uma marca de automóveis, nem um espanhol na lista dos 10 mais ricos da Forbes, nunca recebemos um Óscar, não temos nenhum realizador ou actriz em Hollywood. Não temos uma marca de roupa, pizza ou de estética disseminada por todo o mundo... é verdade.

Mas temos orgulhosamente pastéis de bacalhau e rissóis; já tivemos uma marca de automóveis; O Belmiro faz tão bem as coisas que os espanhóis compram no Continente em Espanha a pensar que a marca é espanhola. Os nossos vinhos são melhores, a provar: Quinta do Côtto, Quinta do Crasto, Quinta da Silveira e Guarda Rios; E ainda temos um vinho que é verde!

Não temos um Óscar, e na verdade também não temos um Nobel, porque eles ficaram com ele (Assim como assim, Saramago, espero que desejes ser enterrado por aí! De ti só queremos que te mantenhas vivo e escrevas, e ficamos com a teoria de que o Cristóvão nasceu numa terra perto da tua). Afinal lembrei-me e temos duas marcas de roupa disseminadas pelo mundo inteiro: a Lanidor e a Fly London. E o Nicholas Cage só oferece sabonetes Arch Brito aos amigos no Natal. E o Paul Auster só usa cadernos Emílio Braga. E a Delta cafés não despede trabalhadores!

E ainda: conseguimos falar línguas estrangeiras como ninguém; temos uma palavra chamada "saudade"; temos um FADO; Pão de Mafra; tortas de Azeitão, queijo da Serra e da Ilha; Na rua andamos sobre obras de arte desenhadas na calçada; Uma guitarra con nuestra nacionalidad e já agora o registo do que tocou o Paredes. Os táxis são quase todos Mercedes. Eléctricos amarelos e velhinhos (giríssimos); Vinho do Porto e da Madeira, Francesinhas, Pastéis de Nata; Um galo colorido (ao invés do touro chunga e gigante que só revela pilinha pequena e mão leve!); Fizemos uma revolução sem matar ninguém; E não nos odiamos uns aos outros! Temos o Santo António e os manjericos, Filigranas e por enquanto loiças da Bordalo Pinheiro; Bicas e cimbalinos, garotos e cariocas, galões e meias de leite, curtas e italianas, escaldadas e pingadas e outras mil maneiras de pedir café.

E last but not the least (bem pronunciado): O Cristiano Ronaldo, a quem nuestros hermanos (também bem pronunciado) terão de pagar uma fortuna que só pesará a favor na nossa balança comercial!

E pronto por hoje fico por aqui, mas prometo voltar ao assunto... entretanto, democraticamente depois deste monólogo, proponho o debate. Quão diferentes, não é? Ponham essas cabecitas a pensar.

10 comentários:

Francisca disse...

Adorei!E assino por baixo.

Alma disse...

Têm as suas coisas muito boas, mas são tão insuportáveis de convencidos que ninguém os atura. Acham que são o umbigo do mundo.

begoña disse...

No me entiendo totalmente en portugués, pero percibo que lo que estás hablando no es bueno. Tienes mucha razón. Pero, de verdad no tomes la parte por lo todo. Ni todos somos unos presumidos irascibles. También tenemos gente buena – especialmente en Cataluña – y que da el debido valor a los portugueses, quizás porque vosotros han conseguido hacer lo que Cataluña no ha podido alcanzar… ser independientes, con su cultura, lengua y costumbres.

A mi me encanta Portugal. He trabajado con portugueses y son los más educados, conciliadores y productivos profesionales. Voy a mirar ese montón de cosas de que hablas y de que no sé de que va: Garotos? Electricos? Pão de Mafra?

Ah, y vendo Fly London en mi tienda!!
Un abrazo muy fuerte
BP

Puri disse...

Hola voodoo, tienes muchisima razón. Nosotros sabemos el cuanto sómos ridiculos y seguimos siendo. Imagino cómo habrá sido esa reunión. para dejarte asi.
Y Begoña, no sólo en BCN hay gente buena. En Madrid también.

Carlota disse...

Podemos ficar sem o Nobel da Literatura mas temos o da Medicina: António Caetano Egas Moniz recebeu o Prémio Nobel da Medicina em 1949.

Orgulho-me de ser portuguesa e adoro o meu país, mas também gosto de muitas coisas dos nuestros hermanos. A paella, a crema catalana, pan del país, o Gaudi,...

Soulei disse...

Carlota foste conquistada pelo estômago! É obvio que eles são óptimos em mil coisas, ninguém põe isso em causa. à tua lista acrescentaria os churros, o pan con tomate e a marca Custo barcelona.

Mas a forma como se comportam connosco, tratando-nos como se fossemos apenas uma província mais... Além de que nos acham uns lentos pouco produtivos e a atirar para o estúpido.

Aqui em marrocos ninguém os suporta!

voodoo disse...

Bom, vejo que o assunto causou celeuma. Carlota obrigado pela contribuição o Egas Moniz, não estava lembrada!

Lisboa disse...

E temos uma marca chamada Voodoo e Patine, super original, criativa e que vai ser "the next big thing" em todo o mundo.
Já fui à Truz, na rua augusta e na montra estava uma das tuas pouch com matriosca. até fiquei emocionada!

Anónimo disse...

Muito divertida e cheia de razão. Amo este blog.

karura disse...

Adorei este texto. Revejo-me nele.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails