Páginas

quarta-feira

De novo mais uma super mulher

Há uns meses falei deste tipo de mulheres que anda por aí e que são verdadeiras heroínas da vida real. Elas deviam ter umas capas compridas e, tal como na banda desenhada, deviam poder voar... porque os super poderes já os têm.
É o caso da minha amiga Mónica, que aliás devia ter incluido logo no primeiro post sobre o tema. O marido tem um cargo importante numa empresa igualmente importante, viaja muito e foi sempre assim. Ela trabalhava como educadora, mas a estabilidade financeira que adveio da progressão profissional do marido permitiu-lhe deixar de trabalhar. Mas esta super mulher, em vez de fazer o óbvio e virar dondoca de Cascais decidiu voltar a estudar. A determinada altura estava a fazer dois cursos: linguagem gestual e terapia da fala, e só tira notas sempre a roçar o 20.
E tem os dois filhos melhor criados de que há memória: a Matilde é uma bonequinha que nem uma mão cheia de anos tem, mas já aprendeu o conceito de diplomacia e o Duarte é serio, delicado e generoso. Ambos usam vocabulário de adultos.
Mas gostava de incluir aqui outra nuance, a do super casal. Os meus amigos Mónica e Daniel são de longe um dos casais mais felizes que já conheci. Dei-me conta disso ao vê-los felizes no meio da festa dos santos populares, entre sardinhas e manjericos, ele a meter conversa com quem quer que lhe passasse a sangria, ela fã da maneira de ser dele. Dei-me conta disso no casamento de uma amiga comum, onde os dois protagonizaram a coreografia de uma música latina, de tal forma coordenados e divertidos que era impossível não alinhar com eles. Dei-me conta disso quando ele fez com as próprias mãos, a prenda que ela pediu, tendo em conta que podia perfeitamente ter pago a alguém para construir o deck da casa.
Ela é super em todos os seus papéis: a mãe, a mulher, a esposa, a estudante, a profissional, a amiga. Que sorte eu tive que o meu caminho se cruzasse com o teu, minha querida.
Hoje inicia-se uma secção de posts que terá a regularidade mensal para falar destas senhoras de capa vermelha invisível.

2 comentários:

Carminho disse...

Desculpem, mas eu teria virado dondoca. Tantas lojas giras onde gastar dinheiro, tantos paises para visitar, tantos livrs para ler. Tanto sol para me bronzear. Definitivamente dondoca!

Lisboa disse...

Eu cá teria continuado a estudar, mas dondoca também... a estudar e a fazer compras. Hoje por exemplo poderiam encontrar-me a estudar na praia. Não é imcompatível pois não?

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails